sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Carta à blogosfera.


Queridas amigas e queridos amigos hoje respondo-vos aos vossos comentários de ontem, com esta carta aberta!
Querida Sissy, não estou nada melindrada com o teu post! Bem pelo contrário, estou feliz por falar daquela que foi a actividade profissional, primordial da minha vida.
Optei por ser professora aos 16 anos, nunca até então, tinha pensado tal. O meu destino era Economia...
Voltas e reviravoltas da vida, fizeram com que iniciasse a minha carreira com 20 anos. Sim, leram bem, antes mesmo de terminar o curso. Sempre exigente, sempre determinada!
Trabalhei na escola trinta horas por semana, em média. Fora da escola, nunca consegui contabilizar as horas que trabalhei: a preparar aulas, a preparar fichas, a corrigir os TPCs, a preparar reuniões, a fazer actas das reuniões, a preencher papelada e papelada e papelada...
Sei que me deitei muitas vezes às 4h da manhã!
E que me levantei anos a fio às 6h da manhã, para estar às 8.30h, numa sala de aula.
Sei que durante anos, percorri por mês 3 000Km, para dar aulas, ou seja quase paguei para trabalhar!
Nunca tive ajudas de custo, nunca ninguém me perguntou se tinha família a meu cargo, se tinha possibilidades de custear duas casas, quando fui colocada a 400Km da minha residência...
Comprei por minha conta, inúmeras vezes, materiais para trabalhar com os alunos com Necessidades Educativas Especiais, porque não existia praticamente nada, nos estabelecimentos de ensino que me apoiasse, com discentes tão específicos.
Orgulhei-me sempre daquilo que melhor fiz: ensinar, educar, aconselhar, planificar, encaminhar para a vida, jovens adolescentes.
E é com orgulho que conto entre os meus amigos pessoais, ex-alunos, hoje adultos responsáveis por quem continuo a nutrir um grande carinho.

Este post é uma forma de agradecimento a todos os professores e alunos.
Alunos, todos fomos e sempre seremos! Professores, só alguns!

45 comentários:

Ana disse...

Querida, Manuela. Tenho a certeza que foste uma ótima professora. Os teus alunos tiveram a sorte de ter uma pessoa como tu para os guiar.

Nem todos tiveram a mesma sorte, infelizmente.

Beijinho, querida :)

Fiona disse...

Turista, adorei este teu post! Acho que professores nem todos conseguimos ser (nesta linha de raciocínio, incluo muitas vezes os médicos...). Para determinadas coisas é necessária uma verdadeira vocação e não basear as nossas escolhas, acções e a forma como concretizamos a profissão que escolhemos e abraçámos a pensar somente no vencimento que vamos ganhar no final do mês (embora, obviamente este seja um factor determinante já que ninguém vive do ar). Ser professor (ou médico), daqueles que se dedicam verdadeiramente e com o seu próprio sacrifício a alunos (e pacientes) não é para toda a gente. Para sermos considerados um dia um professor inesquecível (ou um médico com letra grande) é necessário darmos muito de nós e não optarmos por nos tornarmos simples robots que actuam no seu dia-a-dia de forma mecanizada. E felizmente e pelo que contas, estás no grupo daqueles que se sacrificam e se dedicam verdadeiramente a criar pessoas melhores para o futuro. Parabéns! (espero um dia que os meus alunos também me vejam dessa forma... pelo menos assim me dedico todos os dias :)).

Fiona disse...

E peço desculpa pelo post demasiado longo... Mas às vezes entusiasmo-me ;) (e vou fazer referência a este post no meu cantinho... porque merece :))

Rita G. disse...

Apesar de neste momento não estar a dar aulas,sou professora. Nos anos em que tive o prazer de exercer essa profissão verifiquei que, tal como em qualquer outra área, há bons e maus profissionais, há gente que se interessa, que se esforça ao máximo por trazer ao de cima o melhor dos seus alunos, e há simplesmente quem se limita a cumprir o horário e nada mais. Cheguei a ouvir" não te preocupes com isso, fazes-te velha" em relação a actividades que queria desenvolver, a alunos mais complicados. O facto é que me fartava de trabalhar em casa, nunca poupei os meus alunos à escrita apesar de ficar com muitos trabalhos para corrigir, sempre tentei arranjar actividades que os motivassem. Enfim, sei que fiz o melhor e sei pela reacção dos meus alunos que me apreciavam por isso, e não há melhor sensação possível na nossa profissão:) bj Manuela:)

Ana FVP disse...

Manuela, suspeito que sejas daquelas professoras que marcam muito pela positiva :)

Naná disse...

Manuela, tenho a dizer deste post: bravo! Não acho mesmo nada que os professores sejam sobrevalorizados... acho que muitos são tratados arbitrariamente e sem qualquer dó nem piedade, como isso de deslocarem a pessoa para km infinitos de distância... enfim!
Tive professores, dignos desse nome, como vejo que foste, Manuela!
Os maus professores que tive, provinham todos de áreas bem diferentes dos do ensino: eram engenheiros e arquitectos metidos a professores... enfim!
É como se disse, há bom e mau em todo o lado!
E eu também faço uma festa quando encontro alguns bons professores que tive e que me marcaram muito positivamente. E tive professores que fazem "uma festa" quando me encontram! Querem saber de mim, no que me tornei e se estou bem!

O meu pensamento viaja disse...

O teu testemunho é magnífico e aplica-se a tantos e tantos professores, atualmente rotulados negativamente e indecentemente injustiçados.
O teu curriculum fala por ti ... e não pretendo abrir polémicas gastas em relação a outras profissões. Acho que tu e todos os professores que sentem o gratificante sentimento de dever cumprido, vivem muito bem com a injustiça e com as avaliações e generalizações bacocas.

Falando de ostras, tema muito mais agradável, nunca as comi em Cacela.
O que tenho comido são magistrais ameijoas retiradas da ria, ali ao fundo, bem com toneladas de conquilhas temperadas com azeite, alho e coentros ... regadas com muiiita cerveja.
Fica bem, lindona ( como me chama uma muito querida amiga brasileira)
Beijos,
Nina

Palco do tempo disse...

ser professor não deve ser fácil... bonito texto Manuela! :)

Anónimo disse...

...esta dito

Sissy disse...

Adorei o teu post. Nota-se que fazes aquilo que gostas por queres. O que infelizmente é muito raro. Acredito que todas as pessoas que se cruzam contigo na tua vida profissional têm sorte, em ter-te como professora, porque sem dúvida que és um exemplo, que tantas vezes falta!

Beijooo****

Olívia Palito disse...

Tenho a certeza que eras acima de tudo, uma óptima professora, empenhada com os alunos. ;)

Beijo grande Manelita, filha*

Flor de Jasmim disse...

Manuela
Que posso eu dizer, se já foi tudo dito por ti e por os comentários.
Mas como tu dizes e muito bem. "Alunos, todos somos e sempre seremos! Porofessores, só alguns!
Beijinho bom fim de semana

P.S. logo digo-te algo por telemovel

abspinola disse...

Disseste tudo no teu post, não sou Professora, mas conheço pessoas que exercem esta profissão dificil, conheço que faça 150 Km para ir dar aulas é dificil e desgastante.

Ser professora hoje é um risco, nunca sabem quando tem colocação.

Bjs

Nokas disse...

Como é de notar em todo o teu blog, és uma pessoa de coração grande e tenho a certeza que o empenho e dedicação estava lá :) Só tenho pena que não haja mais assim!! E tanto nessa classe profissional, como em outras tantas!!

ana disse...

Querida Manuela, obrigada pelo teu comentário de apoio.
Tenho a certeza que foste um optima professora. Infelizmente nem todos lhes dão o devido valor. Claro que como em todas as profissoões existem os bons e os maus mas na minha modesta opinião hoje em dia os professores são muito "menosprezados" e não deve ser uma profissão nada fácial principalmente em certas escolas em que existem alunos que simplesmente não os respeitam.E com tantas outras condicionantes como as que descreves acima.
Beijinhos

Dré disse...

É uma profissão como outra qualquer, na minha opinião.
Eu sou Eng. do Ambiente. trabalho neste momento a 320km da minha casa, foi o único sítio onde arranjei trabalho... Já trabalhei mais perto e também mais longe. Trabalho há 7 anos, nunca fiquei efectiva, nunca tive progressão automática de carreira, sempre fui avaliada da maneira que estava imposta na empresa e sempre trabalhei, na teoria 40h semanais onde horas extra no escritório e deslocações semanais a clientes, em que saio de casa às 6h da manhã e chego às 24h, nunca são pagas. Só tenho direito a 22 dias de férias por ano, a marcar em datas a acordar com a chefia e nunca mais de 10 dias úteis consecutivos. Para arranjar trabalho, tenho de ir a entrevistas, processos de candidatura que ás vezes duram meses... Gostava por acaso que me colocassem em algum sítio, mas não tenho nem terei nunca essa hipótese de um ministéro lançar uma lista sem ter de ir a entrevistas e mostrar cv e perguntarem-me se quero ter filhos, se sou casada e etcetc...

Todas as profissões são importantes e têm coisas boas e más.
Não acho que os professores façam um trabalho melhor que o meu. É um trabalho importante, tal como o meu ou da senhora das limpezas.

Just my opinion...

India disse...

Ola minha Querida...de facto quem fala assim nao é gago...gosto de pessoas assim que falam com amor a camisola. Mas eu também sou da opinião que todas as profissoes são valiosas e importantes, cada um tem seu papel na sociedade e todos muito importantes e muitos pouco valorizados. Por acaso também sou Engª do Ambiente e trabalho a 70Km de casa, a 12anos que faço estrada, sempre com falsas promessas de um dia vir para perto de casa...Já trabalhei muitas muitas noites ...ate uma da manha, meia noite, muito raramente gozo os meus 22 dias de ferias quando pretendo, e trabalhar 8horas é mentira...e escusado sera dizer que nunca tive horas extra.... Antigamente trazia muito trabalho para casa, agora evito...Posso dizer que so tive "ferias" como previa quando o martim nasceu...posso-te dizer que me ligam quando saio do trabalho e todos os fins de semana ..o meu marido cansasse do meu trabalho, pk esta constantemente a atrapalhar a nossa vida ....Tenho feito um esforço enorme para mudar isto e impor-me por mim e pela minha familia, mas sei que sou colocada de parte por isso...Porque exigem, exigem exigem....E sou responsavel por pessoas, por processos, enfim...Também ja tive que ir para longe, vou para Lisboa, Coimbra e podem mandar-me para fora do pais que nao posso ou nao devo recusar...Adoro a minha profissão, gosto muito do que faço, tenho orgulho em proteger os rios e a natureza, em investigar e soluccionar, é dificil gerir pessoas avaliar e ser avaliada, tambem o sou tambem o faço...mas não me sinto valorizada...Enfim...cada um com a sua sina...mas a maioria das minhas primas são professoras e costumam dizer...fosses para professora !!!(elas conseguem fazer comparações com os primos engenheiros)...elas tem muito mais tempo livre do que e admitem e conseguem estar mais com os filhotes e admitem...e tem mais ferias que eu e admitem...E mais...o meu padrinho de casamento (Engenheiro), deu aulas uns anos e diz que era uma vida muito muito mais facilitada...nao sei, cada um sabe de si, cada um tem as suas.E eu que adorava ser professora de matematica ;)) Na altura só concorri para isso em Braga e como nao entrei fui para a segunda opção...Posso dar aulas de matematica na mesma Bjocas docinhasminha querida, deves ter sido uma professora do melhor:)) Tive algumas que nao esqueço Sr.Professora. desculpa ter-me alongado...Eu nao gosto de me lamentar, nem me acho melhor ou pior que ninguem e acho que os professores estão como todas as profissoes infelizmente, ou melhor, a maioria...e algumas bem pior

Ale Quejinho disse...

Minha primeira vez por aqui e estou amando!
Ale

Marta disse...

De certeza que era uma óptima professora, uma professora fixe :p e quase de certeza que lhe era difícil ralhar com os meninos que se portaram mal :p
é sempre bom ensinar, e fazer aquilo que se gosta :)
beijinhos

Ana C. disse...

Querida Manuela,
Em Portugal, os polícias, que cuidam da nossa segurança e os professores, que nos dão os alicerces para o futuro, são classes menosprezadas e mal pagas. Por aqui vemos as prioridades de um país.
Adorei este post.

Reflexos disse...

Sabes uma coisa?
A vida é um exercício sem ensaio, sem rede e sem hipotese de repetir. Por isso o que fizermos tem que ser a 100%, sempre, pois só assim ficamos de bem com a vida...

Marta disse...

Não tenho duvidas que tenhas sido uma professora dedicada.
Diariamente reforço à minha filha a importância de respeitar quem nos ensina.Não aceito os pais que tratam mal os professores só porque os filhos não tiram boas notas. O mal não está em quem ensina, mas sim em quem aprende e se estivermos a falar de crianças, dos pais que as acompanham.
Tenho muito respeito por ti minha querida Manuela.

Rosa dos Ventos disse...

Em todo o lado há bons e maus profissionais!
Como aluna não tenho razão de queixa, salvo um velho brigadeiro que foi meu professor de Matemática do 1º ao 4º, agora do 5º ao 8º - por causa dele virei-me para Letras e fui professora de Português/Francês durante 38 anos.
Se não cometi erros? É provável mas quando encontro antigos alunos e tenho alguns como amigos sinto que cumpri bem o meu papel!
E nunca soube o que era trabalhar e viver na mesma terra!

Abraço

Su disse...

gostei do post *

estrela disse...

Manuela eu sempre quis ser professora da primária e nunca segui esse caminho e agora a minha pequena diz que quer ser professora igual à dela na escolinha!
Eu acho uma profissão muito importante na vida de cada um de nós pq todos nós nos lembramos de algum professor que nos marcou e que nos ensinou diversas coisas...
gostei muito de saber que foste professora já gostava de ti e agora ainda gosto mais!!!
Bjs e Parabéns por teres sido uma pessoa muito humana com os que mais precisavam!

Sofia disse...

Adorei o post. Sou suspeita, eu sei:)
Beijinhos

Nina disse...

Só quem exerce a profissão é capaz de nos perceber por inteiro.
Beijinhos

aprendereorganizar disse...

Nem mais...Muitos parabéns pelo exemplo de vida;)

Anna^ disse...

E tens todos os motivos e mais algum para te sentires orgulhosa.E aposto que orgulhosos se sentem também aqueles que foram teus alunos.
Um beijinho

Mariana disse...

Gostei muito desta tua carta:) Fazer o que mais se gosta é uma coisa maravilhosa, e ultrapassar as dificuldades que se cruzam pelo meio é um sinal de vitória:) Bjs*

Dina disse...

Gostei muito destas palavras...

Andy disse...

Pois claro.
Profissão nobre.
E as empregadas de limpeza se não existissem? E os advogados? E os arquitectos? E os carteiros? E os senhores que recolhem o lixo? E os jornalistas?
Que raio de mania de se auto-valorizarem em relação a todos os outros!!
Fala-se tanto em crise e em cortes... E se pusessem os professores só e apenas com 22 dias de férias como as outras profissões??? Nos 3 ou 4 meses a mais que iriam trabalhar, já pensaram na quantidade de coisas que podiam adiantar e desenvolver?
Enfim... assunto q não vale a pena debater.
André.

Rogério Pereira disse...

Acho que vou postar uma coisa de que irá gostar
Amanhã, talvez.

susiedesonho disse...

Que post espectacular! Obg por o teres escrito, querida Manuela.

Bj,

Susie de Sonho.

Fernanda disse...

Bem dito Manuela. Acrescentar mais o quê? Que ser professora não é só dar aulas? Que é muito mais do que isso. É ser, quantas vezes a mãe e o pai que falta em casa; é ser assistente social, psicóloga, médico (a quantos alunos já detetei problemas que os pais não viram e alertei para a necessidade de serem vistos por especialistas!), amiga, confidente, educadora... Por vezes, nos tempos que correm, somos muito mais isto pois que aos pais, preocupados com o sustento dos seus (por vezes, alguns, muito interessados em ganhar cada vez mais) falta tempo para os filhos. E aí lá estão os professores "que trabalham pouco" (era bom era!), que "têm muitas férias" (era bom era!) para os acompanhar e ouvir.Lidamos com crianças diferentes todos os 45m, multiplicados muitas vezes por 7, com formas de ser diferentes, com problemas diferentes, com ritmos de aprendizagem diferentes, com comportamentos diferentes muitas vezes a centenas de quilómetros de distancia, longe dos filhos (falo dos filhos porque são efetivamente quem mais sofre com as distancias e quem mais nos faz sofrer)e, temos de saber adaptarmo-nos a todos eles. Quem tanto mal fala desta profissão devia experimentar uma vez na vida fazê-lo. Só depois podia falar. Eu sei que nos tempos é difícil encontrar emprego perto de casa. Mas há 30 anos atrás quando eu comecei, um engenheiro, arquiteto, economista, etc, arranjava emprego no dia seguinte ao lado da porta de casa e a ganhar muito bem. Eu fiquei em Sesimbra (sou do Porto) e ganhava 11contos e tal, nem efetiva era. Foi há 30 anos. De lá para cá a situação para os professores tem sido sempre pior. Hoje, quem decide tirar um curso para lecionar sabe que nunca o exercerá. Nunca!
Desculpe o testamento Manuela. Foi um pouco o meu testemunho. Ah, continuo a 20 Km de casa.

Borboleta disse...

Adorei este post! Está simplesmente fantástico!

Ísis disse...

Vim parar ao teu cantinho via Malena. Já vi que é especial. Vou ficar. Gostei muito do teu post. Sorte os alunos que te tiveram. O meu filho é especial. Tem sido uma luta como deves calcular. Temos nos cruzado com professores extraordinários. Como em todas as profissões, nem todos têm a sensibilidade desejada...Bom fim-de-semana :)

carol disse...

Onde é que eu já vi este filme?!!!! Só não andei kms e kms porque fiz estágio no meu º ano de ensino oficial ainda antes do 25 de Abril e efetivei logo onde quis. De resto.... Enfim!
Mas não lamento nada nem me arrependo de nada!

Beijinhos cúmplices...

meninaluaprimavera disse...

não há nada melhor do que sermos reconhecidos pelos nossos alunos, positivamente.
estou certa que foi e continuará a ser uma ótima professora!
um bje bom fim de semana

Malena disse...

Ainda por cá ando... Muitos pares de olhos, muitas cabecitas, muitas coisas boas, algumas desilusões... Mas é a ser professora que me realizo! :)**
Obrigada!

mfc disse...

Que bonito... e que grande lição de vida nos acabaste de dar!!
Beijinhos.

Green disse...

Deve ser uma experiência extraordinária e muito gratificante.

Rodrigo. disse...

Adorei

o rapaz da laranja disse...

Olá Manuela :)
como se não bastassem os teus excelentes posts ainda consegues mobilizar comentários que se notam carregados de sentimento, para além do sentido que possuem - Boa!
e (duplamente) obrigado! ;)

Lilá(s) disse...

Com o stress do inicio de ano letivo tenho andado com pouca disposição de ler blogues e só hoje voltei para ler outros posts, este tocou-me em particular, temos percurso identicos, também iniciei carreira aos 20 anos! trabalhei para terminar o curso sempre com amor á profissão. Neste momento sinto uma grande tristeza por ser penalizada em ter começado cedo! por ver o que disparates constantes dos nossos governantes e ministros que não sabem o que é estar numa escola... e nem vale a pena continuar...quem é professor sabe bem o que é estar agora numa escola.
Beijinhos
Boa semana