segunda-feira, 13 de maio de 2013

Nestes últimos dias...



... não tenho andado bem.
Sinto-me estranha.
Estranho-me.
Eu sou sempre positiva e tento ver o lado bom da vida, até porque esta vida são dois dias e eu já estou a meio do segundo, como costumo dizer na brincadeira.
Talvez pela conjectura conjuntura económica.
Talvez pela apatia generalizada das pessoas que veem os seus direitos sociais serem defraudados e não tomam uma atitude  (o que me deixa atónita).
Nestes últimos dias, já tive desejo de abandonar o país.
Nestes últimos dias, já tive desejos de parar de escrever aqui.
Neste últimos dias, já me questionei numerosas vezes, sobre tudo e todos.
Mas depois...
Depois lembro-me de que existem pessoas que estão em situação muito pior do que eu.
E a essas  pessoas, ainda posso dar uma ajuda...
Depois lembro-me dos jovens deste país, que necessitam que lhe mostremos uma luz ao fundo do túnel.
E a esses jovens, temos de lhes dar alento...

Então tento relativizar tudo e atribuo este meu estranhar... à menopausa.
Serei só eu?

E vocês como se estão a sentir?
Digam-me sinceramente.

30 comentários:

lena disse...

Olá Manuela.
Apesar de uma pessoa positiva também me vejo muitas vezes num turbilhão de emoções e vontades e fico sem saber o que fazer. Mas o facto de ver que existem pessoas em pior situação e pessoas que posso ajudar é um grande alento para mim. Estamos a passar dias difíceis mas temos sempre de pensar que dias melhores virão.
Beijinhos grandes.

Suri disse...

Acho que é geral...infelizmente!

Tsuri disse...

Por cá sente-se o mesmo! Apesar de ser muito positiva e determinada, estes últimos dias a sensação que tenho é até de que a alma me foi roubada. Eu estranho-me. E acredito que vermo-nos rodeados de pessoas em situações super complicadas nos deixa sufocados, talvez seja isso. Isso e olhar para a frente e ver o futuro turvo...
Estou cansada!
um beijinho

Rosa dos Ventos disse...

A vida é uma espécie de fila!
Há sempre gente à nossa frente e atrás...
Por isso mesmo podemos sempre ajudar quem está pior que nós...faço por isso, sobretudo a minha família, amigos e vizinhos...

Abraço

Cris and Crafts disse...

Sinceramente, também me sinto cheia de dúvidas, acerca do país, acerca de mim mesma, do que devo fazer. Por vezes chego a desesperar, mas tento sempre retomar as rédeas e levantar um pouco mais a cabeça. Bjs e força

estrela disse...

acho que todos nós passamos por dias melhores e outros nem tanto Turista, ando nessa fase de nem tanto....gostava de arranjar um trabalho e sentir-me útil, ter objectivos e conhecer pessoas que valham a pena....
eu atribuiria esse estranhar à menopausa..dizem ser uma fase de hormonas bem estranhas!
:) afinal não fossemos mulheres e as nossas hormonas não nos influenciassem no dia a dia na vida inteira!!!!
bjs e as melhoras!

Anónimo disse...

Acho que te sentes assim por causa de perderes tanto tempo a publicar sorteios de blogs e afins e não receberes nada em troca. Tens uma vida inútil, apenas isso.

Freedom disse...

Olá :) Convido-te a participar no giveaway que está a decorrer no meu blog, patrocinado pela Oasap: http://wehaveefreedom.blogspot.pt/2013/05/oasap-international-giveaway.html

Beijinhos!

Marta disse...

Acho que esse sentimento toma conta de nós, num ou noutro dia. Há dias que também me sinto assim. Há dias que me apetece abandonar tudo, mas depois percebo que gosto de viver e que há pessoas que me rodeiam que me dão força, coragem.

Um beijinho grande Manuela :)

Claudia Martins disse...

comigo é igual, há dias melhores, há dias piores! :D um beijinho bom e até breve

nada de desanimar sim?

Jovem $0nhador@ disse...

Também me sinto estranha, mas sou jovem e já é normal em nós estarmos assim! Tenta pensar que podes ajudar em muito toda a gente e que isso é que é importante! Força e não te deixes ir abaixo! Bjinhos e boa semana!

S* disse...

Eu tenho andado tão feliz que agora até me deu um aperto ao ler-te menos feliz. Força.

Dulce disse...

Eu tenho muitas oscilações de humor, mas sempre as tive. Tenho uma doença do foro emocional, e se não fosse a medicação diária que tomo, ninguém me aturaria. Também muitas vezes em deixar este país, mas não sei muito bem para onde ia, e fazer o quê aos quarenta e sete anos. E tenho cá os meus sobrinhos, que são um alento para a minha vida, e a minha mãe, que ficaria muito triste se eu partisse.
E depois desejo que o povo se movimente e se revolte com os governantes e país que temos, não tanto por mim, que sou uma privilegiada por enquanto, mas por outros. Eu alinhava. Mas sozinha não sei o que fazer. E também porque ando um tanto desinformada, já que o excesso de informação me deixa literalmente incapaz de trabalhar, de sorrir, de tudo.

Jo disse...

Querida Turista, infelizmente há realmente muita gente em situação crítica...

Tuquinha disse...

Querida Nelinha, como eu te entendo...
lembras-te de quando nos "conhecemos" de algumas conversas que tivemos e do meu discurso em relação a elas?
Consegues entender-me agora?
Tenta ser feliz um dia de cada vez mesmo com pouco....ando com o mesmo turbilhão de sentimentos como tu.
Milhões de beijos com muita energia positiva aqui da Tuca de Mirandela ok?
FORÇA

Eu, Tu e o Meu Blog disse...

Tutista Força e não se esqueça que precisamos de pessoas como você*

Opinante disse...

Ando completamente desmotivada, cansada e exausta. E já nem sei se as férias serão a minha solução.

Forcinha Turista!

Emilie disse...

Eu tenho momentos assim, em que me deixo vencer pelo cansaço, mas... se não formos nós a lutar, ninguém luta, não é? Então, a vida continua...

Um beijinho e pensa nas coisas que te fazem feliz quando te sentires a desanimar uma vez mais :)

É uma forma de não deixar desabar o nosso mundo :)

Força*

ideias com linhas disse...

Querida Turista, também tive uns dias assim... pela situação do país, por ver as pessoas desesperadas, crianças que dependem da escola para comer, enfim...
E depois uma colega disse-me: isto é um turbilão e não podemos deixar-nos apanhar. Se sentimos que nos está a puxar para baixo, desligamos a televisão, não ouvimos noticias durante os dias, pensamos em nós, nas coisas boas que temos e no que podemos fazer por nós, pelas pessoas, pelo mundo...
E sabes uma coisa? Comigo resultou! Senti um novo alento :)
Experimenta.

Sílvia disse...

Não muito bem. Isto de não trabalhar dá cabo de mim. Sinto-me um fardo cada vez mais pesado para os meus pais, sinto-me frustrada por nem sequer responderam às candidaturas a que concorro, fico frustrada por ninguém responder aos emails que envio ou aos telefonemas que faço. Estou cansada dos dias iguais sem grande coisa para fazer. Sinto-me uma inútil, parasita e incapaz.
Tento ser positiva mas começa a ficar difícil.
Espero que isto passe e que eu me volte a sentir eu, em versão alegre.

maria teresa disse...

Esse seu sentir é-me muito familiar, só que não o sinto apenas há uns dias, sinto-o há mais de um ano.
Sei que já não volto a ser EU, sou (somos) agredida todos os dias pelo "meio" exterior. Com isto não quero dizer que todos os dias me sinta assim,há dias que sou invadida por uma esperança enorme, mas esta morre ao tomar conhecimento de mais "casos" bem preocupantes.
Ocupo muito bem os meus dias, faço tarefas de que gosto, e isso ajuda-me a não pensar em problemas que apenas consigo minimizar, mas que não os consigo resolver na totalidade.
Abracinho meu!

Fernanda disse...

Penso que toda a gente se sente assim! E, tal como a Manuela, também eu me questiono da razão desta apatia, que não entendo!

Silenciosamente ouvindo... disse...

Tenho 66 anos, sem filhos, mas com
muitos filhos do coração.Comecei
a trabalhar com 9 anos e reformei-me
aos 55 anos(por perda de emprego e
saber que não encontraria outro e
já aí tive uma perda de 7 anos para
as contas do cálculo de reforma.
Mesmo sem filhos, após o 25 de Abril
lutei, por um país melhor.Fui
sindicalista, e na direcção a que
pertenci conseguimos o primeiro
contrato colectivo de trabalho para
a actividade cinematográfica.Fui
jornalista da imprensa regional e
autarca(membro de Assembleia Municipal e de freguesia durante
alguns mandatos) Tudo cargos sem
vencimento.Portanto era outro país
que eu desejava, hoje tal como a
amiga estou triste(a semana passada
estive mesmo muito doente - e sendo
diabética - se me enervo fico mais
afectada, e apesar do meu marido
"ralhar" comigo, eu enervo-me muito,sobretudo pela falta de respeito que este Governo e este
Presidente da República têm pelos
"ditos" mais fracos...
Nunca imaginei ter um Governo como
o actual...para eles VALE TUDO...
Temos um Ministro das Finanças que
é mais um membro da Troika e que
apenas se quer safar bem, dentro
do que eles querem, para de seguida
ser premiado com um chorudo lugar
na Europa.
Também me espanta a apatia de muitos portugueses/as...O Futebol
continua a mobilizar multidões, aí
há garra, porque não há para lutar?
Já enviei mensagens ao Presidente da República e ao Primeiro-Ministro
através do Facebook e se todos os
pensionistas e reformados o fizessem algum efeito deveria ter(
pelo menos mostrava a nossa indignação). Já vi partir alguma da
minha família para o estrangeiro,
e o mais dorido para mim, as crianças, a minha Luana de 5 anos
e o Rodrigo de 2 anos. Eram a minha
alegria...
Por isso amiga compreendo bem a sua
tristeza, o seu desânimo...
Tenho umas casas que o meu marido
recebeu de herança, que só me dão
prejuízo, vender nem pensar!!! E o
a avaliação das mesmas aumentou
imenso portanto o IMI vai ser uma
loucura...Bem me queria desfazer
delas, mas não sei como...Ainda nos
está a levar dinheiro da n/reforma,
minha e de meu marido, que até não
são de valores altos.
Não vejo que se possa fazer...mas
penso que tínhamos todos que reagir, que mostrar a nossa revolta,e sobretudo nunca mais
votar nestes partidos e as autárquicas estão quase a chegar.
Peço-lhe para não se deixar abater,
temos que ter forças para superar,
talvez se nos ajudássemos uns aos
outros, e isso servisse para também
não sermos tão passivos colectivamente.
Um grande beijinho da amiga
Irene Alves


Scarlet Red disse...

Sinto-me também eu como tu...
Oscilo entre a tristeza, a revolta e os momentos em que ainda consigo ter algum otimismo.
Curiosamente hoje era para ter publicado um post sobre o assunto mas falharam-me as palavras.
Também eu ultimamente questiono se me apetece continuar com o blog...

Paula Nogueira Guerra disse...

Todos nós temos os nossos dias menos bons... eu ando assim por exemplo já algum tempo... mas sei que passa e o sorriso aparece sempre de uma forma ou de outra!

Mas acredita que há dias e pessoas boas e tu és uma dela!
não desanimes... corre sempre atrás do sol e do que te faz sorrir!

GOSTOTE XXX

Montana disse...

Sabes de uma maneira geral todas sentimos aquilo que pensas e sentes.
Esta instabilidade está a dar cabo de gente nova e menos nova.
Não desistas do teu blog. Estás a ajudar muita gente e isso é muito bom.
Melhores dias hão-de vir. Beijinhos.

Maria disse...

Oi Manuela
Só hoje li este post! Sim por vezes também me sinto assim...este país não está para brincadeiras e é cada vez a piorar mais, mas tento como tu relativizar...até porque por aqui eu não posso mesmo dar parte fraca porque sou neste momento a parte forte...!!! Tu sei que tens a força da fénix e que depois desse estranhar renascerás ainda mais forte!!!
Abraço amigo!
Maria

Dear Daisy disse...

Só li agora, Manuela.
Espero que estejas bem melhor.
Todos temos dias assim (cada vez mais, infelizmente).
Não podemos perder a esperança!
Um beijo grande minha querida!

Graça Sampaio disse...

Minha querida, andamos todos na mesma! Eu ando que não me suporto! Também me apetecia fugir, não sei para onde pois não tenho para onde ir! Valha-nos Deus! Nunca pensei que chegássemos a este ponto de depressão, de disforia. Quem falou bem foi a Irene Alves, ali em cima... Que desencanto!

Beijinhos

Mariinha disse...

Olá amiga,
Depois do teu comentário na Mansarda vim aqui para ver o que tinhas postado. Dias assim,todos temos, mas nada de te deixares abater e sobretudo não ligues aos comentários anónimos que nada valem. Como sabes tenho alturas que pouco me dedico ao blogue, umas vezes por falta de tempo, outras por falta de motivação. Tenho dias que nem tenho paciência para me aturar. Certamente isto tem a ver com o que nos tem acontecido a todos, esta incerteza,as mentiras, a incompetência desta gente. Mas vamos acreditar que melhores dias virão, não sabemos quando mas esperamos que cheguem.
Beijinhos e ânimo.