quinta-feira, 28 de julho de 2011

Peso Certo!


A propósito deste post da Dina, resolvi escrever este texto!
Todos nós somos diferentes e devemos aprender a viver com essa diferença. É a diferença que nos torna únicos, dentro da máxima todos diferentes, todos iguais.
Quando existem programas de TV em que o mais importante é perder os Kgs a mais que se tem, diariamente em frente às câmaras, com o intuito de angariar audiências, a diferença é equacionada.
Eu que lidei anos e anos com os jovens, sei bem o que é sentir e ouvir termos como "montes de banha", "lontra", "cachalote" e outros que tais... também por aqui, já encontrei estes termos e geralmente interrompo logo a leitura do post...
As pessoas têm sentimentos, mesmo que tenham peso a mais. E algumas, até o quereriam perder, mas a força de vontade não é o suficiente, as simples dietas não chegam...
Foram tantas as vezes que tive que dar o meu ombro a jovens e fazer-lhes ver que as suas qualidades como seres humanos, não se mediam pelos quilos a mais que pesavam...
Também encontrei o mesmo problema, no sentido oposto: "saco de ossos" ou "esqueleto em pé" é tão mau, como os termos anteriormente citados. As pessoas recolhem-se nos seus cantos, deixam de conviver, de partilhar sensações, sentimentos e momentos.
E todos sabemos com a vida passa a correr e como é importante desfrutar de cada etapa, de cada dia!

38 comentários:

Miss Dreams disse...

É o permanente julgar pelas aparências... O embrulho é que interessa, não o que está lá dentro!

Caminhante disse...

Manuela, este post toucou-me bastante. Hoje em dia o ser humano é apenas apreciado pelo corpo que tem e se esse não for o que a sociedade estipula já não presta. Valores, princípios e carácter já não são importantes. Faz-me muito confusão!
Excelente post. Beijinhos

Mariana disse...

Manuela, concordo contigo. A mim era mais por ser muito magrinha, diziam que era só pele e osso, mas comecei a achar que tinham um bocadinho de inveja. Acabei por não ligar muito a isso, porque sentia-me bem com o peso que tinha. Devemos aceitar o nosso corpo como ele é, e não deixar que esses comentários mauzinhos nos deitem abaixo!

100 Pretensões disse...

Completamente de acordo com estas palavras, diz-se que a adolescência nessas circunstâncias é terrivel e eu não posso concordar mais,pois é constante ouvir nomes do género que disseste e a marca fica para sempre. Mas em adulto as coisas também pouco mudam,penso eu.
**

*C*inderela disse...

hoje em dia o que conta é a aparência e não o interior. quando era criança eu era o estica e a minha melhor amiga o bucha. apesar de não ser alta era magra e o objectivo era afectar a minha amiga. as pessoas não demonstram mas sentem-se mal com esses comentários. ela já teve vários problemas alimentares devido a isso.

bjokas

Queen of Hearts disse...

Bom post, Manuela! :*

Andreia disse...

É verdade tudo o que dizes minha querida. A questão da perda de peso para mim é só uma questão de saúde. Se a pessoa se sente bem tem todo o direito de comer o que bem lhe apetece e ter o corpo que ela entenda. Hoje em dia julga-se muito pela aparência e daí as desilusões.
Beijinho mt grd

Autora de Sonhos disse...

So, so, so true....

Marta disse...

as crianças ou mesmo os adultos, quando querem conseguem ser taooo desagradáveis e magoar mesmo no ponto fraco. ha pessoas que sao gordas ou magras, nao por comerem em demasia, mas simplesmente porque ou sao doentes ou o organismo e diferente.
beijinhos

Luisinha disse...

Minha querida estou completamente de acordo. Ás vezes nem é preciso ouvir os comentários, basta ver os olhares que nos lançam, que magoam e muito!!! Há que ter respeito pelos sentimentos de cada um, e só quem passa por isso é que entende. Hoje em dia somos constantemente bombardeados com modelos magras e sempre super giras e produzidas, quer seja em revistas, no cinema, na televisão, na net, e tudo o que seja diferente é logo classificado de horrível. Ainda bem que já há marcas que usam modelos mais gordinhas, e é pena a maioria das marcas de roupa ter tamanhos muito pequeninos, o que acho que começa a fugir um pouquinho da realidade.
Bjinhos

estrela disse...

Manuela é realmente muito triste as pessoas rirem dos outros quando deviam era olhar 1º para o seu umbigo!!
Não vivam as vida dos outros, vivam antes a sua própria vida sem olhar de lado...talvez assim conseguissem ser mais felizes!!!
Concordo contigo!!
bj grande!

F. disse...

Que belo textinho! Bem verdade ;)

Giveaway no Fashion Way of Life: http://fashion-way-of-life.blogspot.com/2011/07/giveaway-effusive.html

xoxo F.

Pepita disse...

Olá, Manuela.

Concordo com o que disseste; isto de catalogar as pessoas pelo peso que têm é também uma forma de descriminar quem certamente não tem gosto de ser assim. Há excepções, como em tudo.

Acredita que as pessoas com peso acima do saúdavel, não querem ou não é apenas uma questão de vontade. Tive oportunidade de estudar um pouco este assunto. As pessoas muitas vezes usam a comida como escape,como outras utilizarão o tabaco, o alcool, as drogas. A comida passa a ser como um vício que não se consegue resistir. É a capa impermeável às agressões dos outros, aquilo que não conseguem solucionar,ao que os faz infelizes. Num momento qualquer da vida perderam o rumo e a comida foi a forma de solucionarem aquela "avaria" na bússola. Acredita que, de cada vez que se disser a alguém que está gordo, muito gordo, que deveria ter mais cuidado, o primeiro pensamento vai ser: eu vou fazer dieta, tenho de o fazer. Mas sabes qual vai ser o seu primeiro acto: comer a primeira porcaria que lhe aparecer à frente. A pessoa sente medo de não conseguir, de não ir de encontro ao que os outros esperam dele. Por isso,para pessoas que estão nos limites mínimos ou máximos de peso, é importante um bom acompanhamento psicológico a par com a vontade de perder peso, dieta equilibrada e exercício físico.è importante descobrir o factor que os levou a chegar até esse extremos. Obviamente que também tem de se ter em conta os factores genéticos.
Por exemplo, se sofres uma depressão e o psiquiatra te receita antidepressivos, simplesmemte vai esquecer durante algum tempo os problemas que te atormentam. Se falares nos teus problemas, tentares procurar ajuda para os tentares resolver, a par com a medicação, certamente que vais chegar ao objectivo, estares mentalmente sã.
A questão do peso é uma situação muito complexa. Raras são as pessoas que gostam de si como são. As pessoas com excesso ou falta de peso são frequentemente apontadas e muitas vezes, a infelicidade começa quando querem sentir-se bonitas e não encontram nada que lhes sirva. A sociedade pressiona desta forma, quase silenciosa, mas com muito impacto psicológico.

desculpa se me alonguei demasiado.

Beijinho

Claudia disse...

Pois é, eu também já fui bem gordinha na minha infãncia e gozavam comigo por isso, estive bem perto da anorexia por causa disso. Depois recuperei, fiquei "normal". Agora, já adulta, tenho um bocadinho de excesso de peso, não me sinto 100% com isso, mas estou longe de viver mal com isso. O mais importante é sentirmo-nos felizes, e se esse excesso de peso não significar propriamente falta de saúde não vejo o problema. Todos nós temos qualidades e não é a nossa aparência fisica que dita o que vai cá dentro!

Reflexos disse...

Sim, como dói! PAssa uma adolescência a ser catalogada de 'gorda'!

Dina disse...

Excelente post. A frase "É a diferença que nos torna únicos" diz tudo!

Flor de Jasmim disse...

Manuela querida
Este teu post tem muito pano para mangas como se costuma dizer. Mas eu concordo quando se diz que os olhos são os primeiros a comer: lamentavel é não existir beleza interior como a que se vê exterior. E se por vezes as pessoas vivessem de acordo com o que elas são seriam mais felizes do que viverem à base daquilo que vêm, ou andarem por ver andar, esquecem que por vezes seria bom fecharem os olhos e tentarem-se colocar no lugar dos outros, talvez existisse menos maldade perante a essas pessoas, nós não se fazemos, nascemos e somoms como somos. Não suporto pessoas que só olham para o seu hunbigo, nem aquelas que nos olham por cima do ombro.Belo post Manuela.
Beijinho

Movermais disse...

Gostaríamos de te dar a conhecer o nosso site:
www.movermais.com

É uma plataforma totalmente dedicada à vida saúdavel, desporto, alimentação equilibrada…
Dispõe ainda de um conta calorias de alimentação e desporto.
O Mover+ é mais que um espaço online com conteúdos, dicas é um programa para uma vida mais saudável.

Com o Programa M+ podes contar as calorias da tua alimentação ao registares as tuas refeições.
Diverte-te a registar o exercício físico que praticas, a sua duração e as calorias gastas.
Simula etapas, define objectivos, motiva-te+.
Nós tornámos a matemática da vida saudável divertida com o Balanço M+ podes gerir as calorias consumidas e gastas.


É totalmente gratuito e és tu que o fazes com as tuas escolhas. É o teu programa!
Participa também nos nossos passatempos!


Ficarás surpreendido(a)! Vem Mover+

www.movermais.com
www.facebook.com/movermais

São disse...

Carissima, esse programa que refere é uma violência sem tamanho, acho eu.

Cheguei a pesar 110KGs mas penso que nunca me sujeitaria a que um grupo de oportunistas se servissem de mim para aumentar audiências!

Talvez seja suspeita , mas considero que ranto o peso excessivo com a demasiada magreza são situações de desequilíbrio e que em nada embelezam a pessoa.

Beijinhos

India disse...

Adorei o teu post. beijinhos

Purple disse...

As pessoas querem ser perfeitas aos olhos dos outros. E sofrem um sem fim de dissabores por causa disso. Viver mais e pensar menos seria o ideal.

Beiju grande

Malena disse...

Já fui muito elegante e agora sou rechonchuda. Não me sinto menos mulher e, devo acrescentar, sinto-me mais sensual agora do que era antes! :)**

ana disse...

Manuela gostei muito do teu texto e tb eu li o post da Dina que comentei. Infelizmente ainda deve vir longe o tempo em que o ser humano deixe de se catologar por estereótipos feio/bonito, gordo/magro, baixo/alto, rico/pobre... e que realmente de valor ao que é mais importante.
Eu nunca fui uma pessoa magra mas tambem nunca fui "gorda" ou seja estive sempre naquele meio termo de ter alguma Chichinha:) mas até assim não deixei de ouvir alguns comentário menos bons durante a minha pre e adolescencia do tipo mamalhuda, gorda entre outros. Se calhar na altura isso até me incomodou mas hoje em dia não me afeta em nada. Se gostaria de ser mais magra? Claro que gostava de ser uma modelo capa de revista mas não guio a minha vida por isso nem deixo de aproveitar as coisas realmente bonitas e que me dão realmente felicidade.
Pronto sou uma mulher normal que sim tem celulite e sim tem mais 3 kilitos do que deveria ter(que infelizmente estão todos na barriga :)) mas afinal existe alguem perfeito???
Beijinho para ti.

mfc disse...

O respeito pelos outros devia ser um lema de todos!
... mas é bem raro!

Te disse...

Bolas fiz agora mesmo um post sobre peso sem ler o teu antes.

Eu quando era miuda também ouvi algumas bocas, sendo a mais simpatica "olivia palito" que mesmo assim eu odiava.

Eu andei uns anos "recolhida" mas depois não sei bem como despertei e fiz-me à vida, deixei de me chatear e de preocupar minimamente com o que os outros diziam.

Beijinho.

Susie de Sonho disse...

Tocou-me bastante este post, assim como o da nossa Dina, pois levei a adolescência toda a ser chamada de gorda e a viver muito mal com isso. Fiz todo o tipo de dietas. Adoeci. Hoje não quero voltar a passar pelo mesmo. Visto o 40 mas sou feliz porque me sinto bem de saúde. E é bom saber que há pessoas que pensam como eu.

carol disse...

É bem verdade! Também senti esse enorme problema nos últimos anos na escola. Mas toda esta sociedade se conjuga para a importância de quem é bonito, magro, bem vestido, se possível com roupas variadas e de boas marcas... É lixado especialmente para a malta nova. Esta sociedade que cada vez mas hipocritamente fala em cidadania, em solidariedade, em partilha, depois dê iimportância à vaidade e à vacuidade.

Ah! E a ver o Peso-Pesado, esse lixo!

catherine disse...

É verdade, eu sempre me senti mal e complexada por ser "grande", era uma criança já bem alta e houve ali um ou dois aninhos que estava "cavalona", depois emagreci e tornei-me numa adolescente razoavelmente esbelta (não consegui manter :/). Felizmente não posso dizer que fui maltratada por ser grande, mas sentia-me fora do contexto das minhas amigas que eram o oposto de mim: minorcas... Às vezes o preconceito até está mais na nossa cabecinha do que na dos outros... Hoje sei disso. Não uso saltos altos, mas o meu 1,70mt já não me incomoda :)

Manuela disse...

Miss Dreams, e é tão lamentável que isso aconteça...

Caminhante, ao escreveres este comentário, demonstras que para ti, e para muitos de nós "valores, princípios e carácter" ainda são importantes!

Mariana, obrigada pelo teu testemunho na primeira pessoa. É muito importante!

Beijinhos e bom fim de semana, minhas queridas.

Manuela disse...

100 Pretensões, os adultos têm a força da maturidade que lhes permitem não dar importância, ao supérfluo.

*C*inderela, obrigada pelo teu testemunho na primeira pessoa, pois é muito importante!

Queen of Hearts, obrigada :)

Beijinhos e bom fim de semana, minhas queridas

Manuela disse...

Andreia, em prole da aparência, fazem-se coisas impensáveis, hoje em dia.

Autora de Sonhos, alertar é necessário!

Marta, agora imagina as pressões a que essas pessoas ou jovens, são constantemente sujeitas...

Beijinhos e bom fim de semana, minhas queridas

Manuela disse...

Luisinha, tu que há pouco tempo atravessaste uma fase de transformação, fazes uma análise perfeita, do que se passa no mundo actual.

Estrela, tens razão. Se uma pessoa for verdadeiramente feliz, espalhará felicidade em seu redor!

F. bem vinda e obrigada :)

Beijinhos e bom fim de semana, minhas queridas

Manuela disse...

Pepita, obrigada pelo teu comentário certeiro e que diz tudo o que deve ser dito sobre esta questão, sempre actual. Eu é que te agradeço a tua intervenção e aqui, nunca te alongarás demasiado.

Claudia, agradeço imenso o teu testemunho na primeira pessoa, para que outras, o possam ler e reflectir.

Rflexos, e isso é tão pernicioso, para a construção da personalidade de uma pessoa...

Beijinhos e bom fim de semana, minhas queridas.

Manuela disse...

Dina, ui é que agradeço por me teres servido de fonte de inspiração, para este post :)

Flor de Jasmim, o respeito pelo outro e pela sua diferença, está cada vez mais em causa e isso, deixa-nos amarguradas.

Movermais, irei espreitar o vosso site, com agrado.

Beijinhos e bom fim de semana, minhas(os) queridas(os).

Manuela disse...

São, no entanto hoje em dia, toda a diferença, é sujeita a apreciação global, sobretudo pelos canais televisivos. E acredita que as crianças, adoram este tipo de programas?!

India, obrigada :)

Purple, gostei imenso da tua frase: "Viver mais e pensar menos seria o ideal", no que respeita a este assunto.

Beijinhos e bom fim de semana, minhas queridas.

Manuela disse...

Malena, e eu louvo a tua maturidade e a tu auto-estima! Gostava que todas as mulheres, fossem idênticas!

Ana, obrigada pelo teu testemunho na primeira pessoas, e por demonstrares aqui, que és uma pessoas com a cabeça, bem resolvida!

mfc, a tua frase: "O respeito pelos outros devia ser um lema de todos!", é uma perfeita conclusão para este post.

Beijinhos e bom fim de semana, minhas(o) queridas(o).

Manuela disse...

Te, irei de seguida , ler o teu post mas primeiro, quero agradecer-te o teu testemunho, na primeira pessoa.

Susie de Sonho e eu fico feliz, por teres superado essa pressão. Obrigada pelo teu testemunho, tão importante.

Carol, se me permites transcrevo, aqui a tua frase, que sintetiza tudo: " Esta sociedade que cada vez mas hipocritamente fala em cidadania, em solidariedade, em partilha, depois dê iimportância à vaidade e à vacuidade." Obrigada.

Beijinhos e bom fim de semana, minhas queridas.

Manuela disse...

Catherine, obrigada por testemunhares esta dicotomia, das alturas. Nunca me tinha apercebido que o problema da altura, também pode ser inibitivo, em determinadas fases da nossa vida. Parabéns por teres ultrapassado esse problema.

Beijinhos e bom fim de semana, minha querida.