terça-feira, 8 de novembro de 2011

A Greve!


Hoje mal cheguei à blogosfera, vi que o assunto na ordem do dia era A greve dos transportes públicos. Sim, porque as empresas privadas, parece que não aderiram a esta greve, mas isso são outros quinhentos...
A greve é um direito que qualquer trabalhador tem e deve usar, sempre que não estiver de acordo, com a entidade patronal.
É um direito que foi conquistado muito a custo, ao longo dos séculos XIX e XX. Faz parte das leis laborais, adquiridas.
Incomoda os outros? Incomoda muito!! Por isso é que ela é feita, por isso é que ela é sentida!
Há muita gente que nunca fez greve, na vida? Há! Muitas vezes por desconhecimento dos seus direitos, outras vezes por medo do patronato, outras vezes por convicções políticas.
Mas era muuuuuuuuito pior quando os trabalhadores não se podiam manifestar, tal como acontecia em Portugal, até 1974.
Quando por se dizer: não quero, não faço, ou simplesmente não gosto, se ia preso ou deportado, para além de espancado.
Este é um post aberto, por isso podem acrescentar ao texto o que entenderem, pois a liberdade já passou por aqui!

34 comentários:

R. disse...

Querida Manuela.

Felizmente podemos expressar os nossos descontentamentos, lutar contra o que achamos estar mal, libertar os nossos pensamentos... Lembro-me de a minha avó falar de um irmão (meu tio-avô, portanto) que deu muitas "dores de cabeça" à família, quando era novo (antes do 25 Abril) porque "tinha o sangue quente" e não gostava muito de estar calado. No entanto sinto que parte desta garra, parte da vontade de contestar desapareceu e as pessoas se começaram a acomodar. Se olharmos para o resto da Europa, vemos os gregos, os ingleses, os franceses e outros povos, a reclamarem, a revoltarem-se e a mostrar o seu ponto de vista.
As greves são incómodas, chateiam bastante, mas terão resultado? Acho que cada vez mais a questão que fica é "para quê?!". É uma visão derrotista? Sim é! Mas infelizmente é, na minha opinião, cada vez mais a visão dos portugueses.

beijinhos!

Ana Sá disse...

É o que eu sempre digo: se a greve não incomodasse, não havia motivo para ser feita! E as pessoas já sabem com bastante antecedência (até pelos órgãos de comunicação social) que vai haver greve, não sei porque insistem em ir para a estação de comboios à hora do costume,ou pôr-se na paragem do metro à espera que ele passe à hora marcada. Das duas, uma: ou arranjam alternativa, ou vão duas horas mais cedo!

mfc disse...

Gostei desta evocação histórica da greve e do seu contexto!
Há muitos que já se esqueceram que a greve é um direito!

Rita G. disse...

Manuela,
tens toda a razão, se não fosse para causar incómodo e para mostrar a importância de determinados serviços, não seria feita. Mas tb não posso criticar quem paga muito dinheiro de passe e depois está constantemente a levar com greves... mas é um direito e não há nada mais importante do que ter a liberdade para demonstar quando não estamos satisfeitos com algo.bj!

Lux disse...

E não só querida... Se a greve não afectar ninguém, ou seja, se não existirem lesados causados por dela, é desnecessária.

xoxo
Lux

Miss Scarlet Red disse...

Pois eu não concordo com esta greve nem com algumas das coisas que aqui foram ditas. Porque é que as pessoas insistem em esperar pelos transportes públicos e não arranjam alternativas?! Porque, por exemplo, no meu caso, a única alternativa é o táxi e não posso estar sempre a pagar táxi! Porque nunca sei se as greves se vão realizar ou não (porque a CP tem greves cerca de 360 dias por ano...)e arrisco.
Trabalho no sector privado há 20 anos e nunca fiz greve, sempre trabalhei sem ganhar horas extraordinárias. Verdade que o meu esforço foi quase sempre reconhecido, mas se estivesse mal pensava em mudar de emprego, não em fazer greve. Eu sei que um motorista de comboio não pode exactamente mudar de emprego... mas não concordo com formas de luta que prejudicam quem quer exercer o direito ao trabalho. Vai haver em breve uma greve geral. Com isso concordo, vai ser algo que reflecte união e descontentamento e até conquistará solidariedade. Greves constantes porque sim e porque não... basta! É um direito, mas eu também tenho o direito de usufruir dum serviço que já paguei! Porque é que nunca se fez uma greve à venda de passes e bilhetes??

Karochinha disse...

Ora aqui está um post que eu gosto, aberto ao debate! As pessoas, em geral, "esquecem-se" que saber também é um direito quelhes assiste mas por vezes "escolhem" ficar na ignorância e depois alegar o tão famoso "não sabia"! Não sabiam? Vão-se informar porque todos nós, enquanto cidadãos, trabalhadores ou não, temos direitos e deveres, devemos exercer só os deveres e deixar os direitos para os patrões???? Por isso é que cá em casa me chamam de sindicalista! Todo o cidadão tem de ter, acima de tudo, respeito pelos que conquistaram, muitas vezes com o sacrificio da própria vida, estes direitos e deveres que tanto subjugamos!
Desculpe o testamento Manuela, mas também eu andei de transportes desde sempre, apesar de ter carro, e nunca me insurgi contra quem faz greves porque quem está lá a trabalhar é que sabe porque as faz!

Beijocas ;)

abspinola disse...

Querida Manuela concordo com o que dizes, o que não consigo concordar é fazerem greve por antecipação, eu sei que todos temos direito a lutar pelos nossos interesses nas sempre nos momentos proprios.
Esta greve foi para mim impropria e digo e afirmo, as propostas estão em cima da mesa, primeiro negociaem e depois podem revoltar~, esta greve so vem piorar ainda mais as negociações.

E a mim desagrada me em muito o que poderá acontecer no local de trabalho do meu marido, como já disse ele é maquinista do Metro de Lisboa e sei perfeitamente que a luta deles é uma luta que não vai trazer boas mares aos funcionarios e familiares.

Como já disse a minha cara metade era desnecessário.

Espero que no fundo eles conseguem vencer.

Bjstos

Rosa dos Ventos disse...

Gostei!

Miss Scarlet Red disse...

Em vez de greves, façam manifestações ao fim de semana e eu até marcho com eles!

Marisa Ferreira disse...

Concordo que todos têm direito à greve mas neste caso específico o grande lesado é o zé povinho. Há pessoas que não se podem dar ao luxo de faltar ao emprego, por várias razões, ou porque precisam do dinheiro, ou porque precisam de manter o emprego e a entidade patronal está-se a lixar para os empregados que não chegam a tempo e horas ao trabalho por causa de greves dos transportes públicos.

lena ruivo disse...

façam greve sim mas prejudiquem os grandes e não os pequeninos que ainda querem preservar o seu misero emprego

Sílvia disse...

Até concordo que a toda a gente tem direito à greve. Mas não concordo que critiquem as pessoas que continuam a ir para a estação e fiquem à espera porque muita gente não tem transporte público alternativo, ou seja sobra o carro próprio (e nem toda a gente o tem) e os táxis. Dão muito jeito em distâncias relativamente curtas, mas no meu caso fazer 50 km de táxi não fica lá muito barato. Se tenho autocarro? Sim, de manhã tenho, à tarde o último seria por volta das 16/17 horas, o que me faria deixar muito trabalho a meio. Além disso é frequente chegar à estação e de vez em quando lá aparece um comboio suprimido assim sem mais nem menos, sem explicações. Por isso não, não concordo, porque os maiores lesados são os que querem trabalhar, pagam balurdios em passes e não usufruem do serviço.
Por tudo isto desta vez não concordo contigo. A greve éum direito mas não faço disso regra.

Lilá(s) disse...

Felizmente podemos libertar os nossos pensamentos... a greve é um direito, já começo é a ter dúvidas se valem a pena...
Bjs

Violeta Extravagante disse...

Sem dúvida, concordo com tudo.
Mas também há outra questão que raramente se fala nela:
Há quem tenha que fazer greve, embora não queira, por se sentir pressionada pela entidade laboral a fazer-la.

Palco do tempo disse...

acho muito bem que façam greves, que lutem por direitos melhores... é um direito do trabalhador fazer greve. claro a greve causa o caos, que impossibilita muita gente de ir trabalhar, estudar, etc mas temos que compreender que há alguém a lutar por uma vida melhor :)

Petra disse...

Manuela, ia escrever bastante, mas li que a Miss scarlet red e a Sílvia já disseram tudo, mas tudo que eu teria para dizer..... Quem se F***** nesta greve é o zé mechilhão, que não tem culpa nenhuma disto...
E sim estas greves constantes impedindo as pessoas de trabalhar, pois porque muitas só podem mesmo usar o transporte público que mesmo nos dias em que não há greve nos falha, tem de faltar ao trabalho, atrasar-se perder dinheiro, ouvir chefes que por não precisarem desse mesmo transporte não entendem os atrasos... Enfim... isto só vai afundar ainda mais o país.

José Matos disse...

Quer com isto dizer que se a liberdade passou por aí, já pertence ao passado, foi-se...

A liberdade de fazer greve é igual á liberdade de NÃO FAZER GREVE também!

Turista disse...

Amigo José, sabes o que significa: a liberdade já passou por aqui?
E não, não estou a colocar o verbo no passado, apesar de aparentar...
Sabes que o "sim" dá direito a se poder dizer "não". Já o "não" é redutor!
Obrigada pela tua participação.

O meu pensamento viaja disse...

Manelinha, nem se discute o direito à greve. Nunca deixei de participar, ao longo da minha atividade profissional e parece-me obsoleto questionar a sua prática.
Enfim, cada um é livre de expressar o seu ponto de vista e de aderir ou não às greves convocadas.

Muito obrigada pelas informações gastronómicas que já registei.
Outra questão:
Colecionas mapas e globos virtuais ou virtuais e físicos?
Beijo
Nina

Mar Arável disse...

é preciso e urgente

dizer em voz alta o que se sente na pele
dizer o que se pensa

enquanto é tempo

Indignemo-nos também nas ruas

AVOGI disse...

MANELA
nem sei que diga. pois eu já fiz e já não fiz. Vai daí deixo ao critério de cada pessoa.
Ha´o direito de se fazer como o direito de não se fazer, e sim quem fica prejudicado é o utente, é para isso que as greves existem., como os alunos, como todos nós em geral.
kis :=)
tema controverso este

Fiona disse...

Já nasci no período pós-25 Abril pelo que não tenho qualquer conhecimento de causa de como era a realidade nessa altura. Aquilo que sei resume-se ao que fui lendo ao longo dos anos e as experiências passadas pelos pais. E sempre me disseram que aqueles tempos eram totalmente diferentes do presente e muito mais difíceis: ausência de liberdade, impossibilidade de se poder dizer aquilo que efectivamente se pensava e a juventude com muito menos possibilidades do que hoje em dia. Muitas histórias me foram contadas de como era viver na zona próxima à fronteira com Espanha e de todas as dificuldades que se viviam, sempre com medo de haver alguém que um dia não regressasse a casa. Conforme hoje já comentei num blog, a greve é um direito que muito trabalho deu a conquistar aos trabalhadores e que todos devem ter, hoje em dia, o direito a poderem fazer greve e a manifestar-se contra aquilo que estão contra.
O único problema de todas estas greves (e acho que são essas as queixas que se lêem por essa blogosfera fora) é que impossibilitam muitas pessoas de irem trabalharem e de conseguirem produzir algo mais nestes dias. Essa é a pior parte. Porque nem todos têm chefias compreensivas que entendam que os atrasos ou as ausências se devem à greve feita pelos outros e não por outros motivos.
Mas temos de compreender que se trata de direitos dos trabalhadores e não podemos retroceder nesse aspecto.

Fernanda disse...

Pelo que consta por aí,e, não há fumo sem fogo e muito menos neste país, parece que os transportes públicos em Lisboa vão terminar às 11h da noite. Não é greve, não senhor! São medidas para o déficit (que pelos vistos tem as costas largas). Com o aumento de 1/2 hora por dia, concentradas, como pretende a entidade patronal, num só dia ou dois, muitos vão trabalhar para além das 11 da noite, já para não falar dos que trabalham por turnos. Como vão fazer então? Compram carro ou fazem exercício físico, e, vão a pè? (Se for longe aproveitam e treinam para a Maratona). Nessa altura, vão lamentar-se contra quem? Vão pedir descontos no passe?
Não será por verem os seus empregos em perigo, resultante também desta medida, que leva os trabalhadores dos transportes a fazer greve? Pensem nisto: o que agora afeta uns, mais tarde afetará todos. Não sou eu que o digo, é a História que o demonstra.
A propósito, tudo é uma questão de hábito: no Porto não há, nem nunca houve transportes entre a 1 e as 6 da manhã. E sim, também trabalhamos por turnos. Estou a ser irónica pois penso que para trás só "mija a burra" e tirarem qualidade de vida a que TODOS temos direito como seres humanos, é MUITO MAU.E, sim! sei que há muito ser humano que não os tem, mas isso é que está errado e precisa mudar!

Texuga disse...

Gostei bastante....

Beijinhos

Marta disse...

a greve serve para causar incomodo, se fosse para passar despercebida as greves não faziam sentido! Não sei se é por incultura que as pessoas pensam que as greves não devia de causar incomodo!
enfim
beijinhos

Panda disse...

Eu entendo que seja muito chata para quem paga um passe e depende dos transportes para ir para o trabalho. Paga por um serviço que não é feito e ainda é obrigado a fazer greve também ao seu trabalho. De resto lá está os outros têm direito a manifestar-se.

Cláudia N. Matos disse...

Uma profª minha disse que não é com greves que vamos lá e que até hoje não têm resolvido nada.

Green disse...

Eu acho bem que as greves existam e que tenhamos esse direito, mas também acho que há muita gente que usa e abusa desse direito.

carol disse...

Por quanto mais tempo vamos poder gabar-nos de termos esse direito?

Rogério Pereira disse...

A greve é o acto mais grave que os grávidos de esperança ainda podem usar perante a gravidade com que o trabalho é gravosamente atacado.
A greve é inconveniente?
Mais inconveniente são as causas que a justifica...
A greve é inconsequente?
Isso é o que querem que a gente pense...

Flor de Jasmim disse...

Manuela
Excelente post!!!
Em 28 de outubro de 1973 eu com 16 anos já casada o meu falecido marido estava na tropa e eu grávida de 8 meses levei tanta porrada da policia de choque na Marinha Grande, mas não desesti de lutar pela nossa liberdade, já tinha sido acusada por ser portadora de um isqueiro do meu marido ( eu não fumava) era preciso ter licença para usar isqueiro e nós não tinhamos. Voltei a levar porrada da policia em 11 de Março de 1974, mas andei sempre na frente de tudo o que era contra o fascismo. Hoje com 54 anos voltaria afazer o mesmo. Liberdade sempre.
Beijinho

estrela disse...

Já ouvi dizer que vai haver greve dia 24 e é geral mas eu já sei que aqui se fizer greve estou marcada!!!
sou só eu sozinha...
nunca fiz greve....desta vez bem que me apetece mas nem é pelos patrões que tenho é pelo governo que temos!!!

Turista disse...

Nina, conforme já te respondi, no teu cantinho, só faço colecção de mapas e globos, virtuais. :)

Cláudia Matos, lamento, mas essa professora, não está a ser correcta e verdadeira...

Rogério e Flor de Jasmim, agradeço a vossa achega, que é feita da vossa grande experiência. Obrigado.